“A educação ou é inclusiva ou não é educação”





A multidimensionalidade de problemas com que a escola do nosso tempo é confrontada exige, naturalmente, uma multiplicidade de respostas, assumindo-se o desafio da inclusão como um dos prioritários, já que “A educação ou é inclusiva ou não é educação”, como recordou a diretora do AGML no início das VI Jornadas Pedagógicas AGML 2019.
Todos sentimos que estamos a viver uma mudança de era, marcada pela revolução tecnológica, pelas alterações climáticas, pela forma como nos relacionamos com o outro, e que nesta vertigem somos invadidos pelo futuro, mas “O futuro é já hoje”, afirmação de António Nóvoa que surge em epígrafe do Projeto Educativo do AGML, daí a urgência de nos questionarmos sobre até que ponto é que entendemos a inclusão como “o processo de fortalecer a capacidade do sistema educativo para alcançar todos os alunos”, tal como o define a UNESCO, e de repensarmos as nossas práticas docentes à luz deste novo conceito de inclusão.
Uma vez que o objetivo da escola para todos já foi globalmente atingido (com o alargamento da escolaridade obrigatória) e que o desafio que agora se coloca à escola é que se assuma como lugar onde todos, sem exceção, aprendam, o conceito de inclusão deixa de aplicar-se apenas a um grupo limitado de alunos, passando a abrangê-los todos, com as suas necessidades específicas, bem como com as mais-valias importantes que constituem para a comunidade, tendo sido salientado, ao longo das jornadas, que o projeto educativo do AGML já tem uma série de medidas integradas que apontam nesta direção, mesmo antes da entrada em vigor da atual legislação (decretos-leis nºs 54/2018 e 55/2018).
O modo como a inclusão tem tido presença nas salas de aula do AGML (da educação pré-escolar ao ensino secundário, passando pelo ensino básico e pelos cursos profissionais), bem como na escola (através da educação ambiental e da educação de adultos), partilhado pelos professores dinamizadores, mostraram que a diferenciação pedagógica, isto é, a inclusão, não é algo etéreo, mas que se torna realidade quando, promovendo a autonomia mas sem abdicar da exigência, se entende que o facto de a educação ser para todos implica que se encontrem caminhos diversos para criar o gosto pelo conhecimento, que é, também, inclusão.
O desenvolvimento do tema da inclusão nas políticas educativas leva a concluir-se que, também, ou especialmente, no que concerne à educação inclusiva, os normativos legais não apresentam “receitas”, mas apenas os “ingredientes” que cada escola, de acordo com os seus contextos, há de “cozinhar”, de modo a fazer o seu caminho. E esses contextos passam, necessariamente, pela comunidade, tendo sido apresentados várias situações e entidades promotoras da inclusão em colaboração com a escola.
As VI Jornadas Pedagógicas AGML 2019 promoveram, assim, a tomada de consciência de que a escola não pode alhear-se do mundo marcado pela diversidade, como aquele em que vivemos, sendo a escola inclusiva a chave para todo e qualquer aluno ter acesso ao conhecimento, ver colmatadas implicações inerentes à mudança (como o agravamento das desigualdades sociais) e compreender a diversa e complexa sociedade em que está a entrar.


meio Cartaz Jornadas 2019


 programa atualizado VI jornadas pedagogicas AGML Página 1 resizeprograma atualizado VI jornadas pedagogicas AGML Página 2 resize